fechar
brain-20424_640

Entendendo como funciona o cérebro criativo…

Esqueça aquela crença de que os criativos usam o lado direito do cérebro, isto é um mito. Estudos recentes da neurociência que utilizamos todo o cérebro no processo criativo.

Recentemente descobriu-se o “rede cerebral padrão” . Ela é a parte do cérebro que é ativada quando não estamos engajados em nenhuma tarefa.

Eis suas funções :

– construir os significados pessoais das nossas experiências
– imaginar outras perspectivas e cenários
– compreender estórias nossas e dos outros e refletir em nossos estados mental e emocional
– gera ideias criativas, por isto é chamada pelos autores do livro Wired to Create, Scott B Kaufman e Caroline Gregoire, de rede cerebral da imaginação.

A rede cerebral de atenção executiva também tem um papel crucial na criatividade. Neste sentido, suas funções são:

– planejar ações futuras
– lembrar para uso várias táticas de criatividade
– lembrar de quais dessas ações já experimentamos
– rejeitar as ideias mais obvias
– focar a imaginação, bloqueando distrações externas e nos permitindo sintonizar com nossas experiências intimas.

Na geração de novas ideias, a rede cerebral padrão, a rede de atenção executiva e a rede de saliência (responsável pela motivação) estão ativadas em uma complexa dança.

Inicialmente a rede da imaginação e saliência estão muito ativas e a executiva esta quiescente. Nesta etapa, há um estado de fluxo de ideias, em completa sintonia com a função. Nesta fase as ideias não são freadas e somos altamente produtivos. É aquele momento que o autor de um livro senta na cadeira e não para de escrever, as ideais chegam e vão direto para o papel, como se fossemos apenas um intermediário entre a imaginação e o papel.

Numa etapa seguinte, quando temos que refinar as ideias, a atenção executiva assume o comando.
As pessoas criativas são particularmente boas em ativar e desativar estas regiões com agilidade e flexibilidade.

Com estas informações recentes podemos começar a entender o por que muitos insights e ideias criativas nos vem quando menos esperamos, quando estamos nos divertindo, quando estamos divagando ou quando estamos “desligados”. Empresas com foco em criatividade como a Pixar já sabiam disto empiricamente e os seus ambientes de trabalho pouco lembram ambientes de trabalho, parecem mais um centro de diversões. Não é a toa que seus filmes transbordam criatividade.

Fonte:
Post Ten Habits of Highly Creative People por Scott Barry Kaufman e Carolyn Gregoire no site Greater Good.

Foto: Pixabay / PublicDomainPictures

Tags : criatividade
Rogerio Chinen

O Autor Rogerio Chinen

médico formado na UNIFESP
aficcionado por cinema e tecnologia
interessado em questões filosóficas e sobre o conhecimento humano
idealizador, criador e webmaster do site Espiral de Valor

Leave a Response

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE