fechar
Divertir, mas inspirarFilmes

Resenha do filme Okja… uma fábula contemporânea magnífica com múltiplas camadas…

okja2

Okja… uma fábula contemporânea magnífica com múltiplas camadas…

Sinopse: O filme retrata o amor entre a jovem Mija e seu super porco Okja e a luta dela contra uma super corporação para proteger Okja. 

Reflexões:

  • Ética nos negócios
  • Amor e companheirismo
  • Ética na luta por uma causa
  • Consumo consciente
  • Vegetarianismo

Resenha (contém spoilers):

O filme Okja inicia com CEO Lucy Mirando da Mirando Corporation apresentando uma nova raça de porcos recém descoberta, dita como sustentável, não transgênico. Ela lança um concurso mundial no qual 12 porcos serem distribuídos ao longo do mundo e após 10 anos, aquele que desenvolver mais seu porco será o vencedor.

Ao longo do filme percebemos que tudo não passa de um plano de Lucy para manter as vendas da empresa. Sabendo da tendência do consumidor de buscar produtos mais sustentáveis, sem modificação genética, ela cria o concurso alegando terem descoberto uma nova raça.

É tudo armação!

O pior é tudo teria dado certo não fosse pelas ações da AFL.

Isto é um alerta para os dias atuais.

O poder esta nas mãos do consumidor. Há uma real tendência de um consumo mais consciente. A busca por produtos orgânicos, sem agrotóxicos, com menos açúcar, menos conservantes, menos sódio é uma realidade.

Há empresas que irão se adaptar as exigências do consumidor e outras que irão fazer mudanças apenas de fachada, como a Miranda Corporation.

Nós consumidores devemos “separar o joio do trigo” e ficar atentos àquelas empresas que realmente se preocupam com um desenvolvimento sustentável e com real preocupação ambiental.

Um destes porcos vai parar nas mãos de Hee-bong Joo, um agricultor nas montanhas da Coreia do Sul. O porco que recebeu o nome de Okja, acaba crescendo e convivendo com Mija, neta de Hee-bong Joo, ao longo dos dez anos.

Um sentimento de amor e companheirismo se desenvolveu ao longo destes dez ano. Na primeira parte do filme, acompanhamos a cumplicidade e carinho entre eles, pescando e se divertindo nas matas em que vivem.

O vínculo entre eles é tão forte que Okja é capaz de se sacrificar para salvar Mija como demonstrado em certa cena do filme.

A harmonia e tranquilidade é abalada com a chegada da equipe de pesquisadores e do repórter da Miranda Corporation.

Okja é a grande vencedora do concurso, foi o porco que mais se desenvolveu entre todos os outros, devendo ser levado para Nova Iorque, para um grande evento.

No meio do caminho, Mija se depara com uma equipe da ALF (Animal Liberation Front), um grupo de ativistas que praticam atos terroristas em defesa dos animais.

Para a ALF, Okja é uma oportunidade única de documentar toda a podridão da Miranda Corporation e demonstrar a realidade nua e crua da empresa. Todo o discurso de sustentabilidade e defesa ambiental não passa de fachada.

O plano de ALF é colocar um gravador em Okja e transmitir toda a crueldade contra os animais que a empresa pratica, bem no dia da festa da Miranda Corporation.

Neste ponto do filme há uma discussão interessante. Entre os integrantes da ALF, há apenas um integrante que fala coreano e faz a intermediação entre o grupo e Mija.  O líder do grupo, Jay, diz para Mija que somente prosseguiriam com o plano se ela concordasse. A resposta de Mija foi que desejava levar Okja de volta para as montanhas, mas o integrante da ALF traduziu  a mensagem como se ela havia concordado em prosseguir com o plano.

O tradutor agiu de forma anti-ética para proteger o plano, com base no lema “o fim justifica os meios”.

O filme demonstra que as consequências desta mentira foram cruéis. O fim não justifica os meios!

Uma outra questão a ser abordada nos filmes é a questão do vegetarianismo.

Após assistir ao filme não há como não se questionar sobre o consumo alimentar de carne animal. A cena final do filme no abatedouro nos remete (de forma proposital) a um campo de prisioneiros.

De forma inteligente, o filme cria a nova raça de porcos unindo truculência com graciosidade. Ao acompanhar Okja nas cenas iniciais do filme e acompanhar toda a sintonia entre Okja e Mija não como não se afeiçoar e não se importar por Okja.

De certa forma, muitos de nós ficamos indignados com maus tratos contra um cachorro, um gato ou um passarinho. Todos animais graciosos e que já fazem parte da nossa sociedade como animais de estimação.

No entanto, o que diferencia esta preocupação com estes e o desprezo e indiferença perante aqueles animais não são tão graciosos e belos?

O filme de forma hábil e inteligente nos fez se afeiçoar por porcos!

É para se pensar!

Enfim, é um filme aparentemente despretensioso, mas que possui profundas discussões nas diversas camadas que o filme possui.

Ficha Técnica:

Nome :  Okja

Tradução : Okja

País : USA / Coréia do Sul

Ano: 2017

Diretor: Joon-ho Bong

Nota IMBD:  76

Nota Rotten Tomatoes: 85 (críticos) 86 (audiência)

 

Premiações: nomeado a Palma de Ouro no Festival de Cannes 2017

Trailer:

Tags : resenha
Rogerio Chinen

O Autor Rogerio Chinen

médico formado na UNIFESP
aficcionado por cinema e tecnologia
interessado em questões filosóficas e sobre o conhecimento humano
idealizador, criador e webmaster do site Espiral de Valor

Leave a Response

Optimization WordPress Plugins & Solutions by W3 EDGE